Google Website Translator Gadget

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Entre Campos


Há mais de um ano que planeava fazer este passeio, a começar no Campo Grande e a terminar no Campo Pequeno. No último fim-de-semana consegui finalmente fazê-lo. Sabia de antemão que me iria deprimir quando entrasse no Jardim do Campo Grande, completamente ao abandono. É certo que a imagem que tenho da minha última visita "em vida" (do espaço, claro está) era já de algo decadente e sujo, à beira de perder os seus últimos visitantes. Foi então com surpresa que descobri que, finalmente, as obras de requalificação estão a avançar. Bem, pelo menos a parte norte do jardim está vedada e os trabalhos parecem estar em curso. De acordo com este texto, o processo terá tido início em Agosto e deveria durar sete meses, se bem que não me tenha parecido que haja ali apenas um a dois meses de trabalho pela frente. Espero estar enganada.

A parte sul do jardim, no entanto, está bem arranjada. Tirando a antiga piscina, abandonada, mas que parece também em vias de recuperação, tudo está limpo e relativamente arranjado -, com um denso arvoredo que nos isola dos ruídos de uma das zonas com mais trânsito de Lisboa.




Nunca tinha vindo a esta zona do jardim, por isso foi com grande surpresa que me deparei com este lago cuja existência desconhecia. E, digo-vos, é muitíssimo bem frequentado pelos senhores que se seguem...



É claro que nada nos prepara para a bizarria desta estátua, literalmente retirada de um cartoon do SAM (um dos seus últimos trabalhos) e apelidada de Infância.


Uma das coisas que mais me surpreendeu foi a quantidade de pessoas a correr e a andar de bicicleta. A ciclovia ajuda, claro! Era tão bom que se estendesse a todas as zonas de Lisboa...


E é assim, num instante, que se chega à Praça de Entrecampos, onde reina o Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular.


Seguindo em frente, a estação de Entrecampos paira sobre as nossas cabeças, escondida pela sua armadura ondulante.


A Avenida da República, ampla, abre-se com poucos carros, algo impensável durante a semana, iluminada pelo sol de inverno reflectido no asfalto molhado.
   

Ao entrar no Campo Pequeno, dou de caras com um mercadinho biológico, mais pequeno do que o do Príncipe Real mas, ainda assim, muito acolhedor.



A Praça de Touros ergue-se imponente deixando-me, como sempre, dividida. Como pode um edifício tão espantoso ter sido desenhado para acolher algo como uma tourada? 



Felizmente, nem só de touradas vive o Campo Pequeno e na quinta-feira lá estarei para o concerto de um dos meus grupos favoritos. Há quase três anos que não vou a um concerto, mas a este não poderia faltar.



Estava na hora de voltar. A Avenida da República prima por ter prédios e palacetes magníficos, lado a lado com outros perfeitamente horríveis, infelizmente. 


Já perto do Campo Grande, ergue-se a Biblioteca Nacional, imponente. Fica a promessa de uma visita a breve trecho.


E assim voltei ao ponto de partida, a Cidade Universitária, com a alameda forrada a verde. Foi um belo passeio. Espero que as obras da parte norte do jardim não se eternizem como tantas outras na nossa cidade...

4 comentários:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...